Mulheres

Elas conseguem ser mães, esposas e profissionais de sucesso

Me sinto em casa dentro da cabine

   Ao longo dos anos, a Revista Cegonheiro sempre procurou divulgar para seus leitores algumas dessas mulheres, motoristas ou não, que se destacam no seu dia a dia.

   Aproveitando o ensejo da data – 8 de março – Dia Internacional da Mulher – queremos homenagear todas as mulheres esposas, mães, filhas, sogras, noras e, em especial, nossa “guerreira” Susana da Silva Gargan. Parabéns não só pela data, mas também por todos os dias de lutas e glórias!

Amigos da estrada

   Já foi o tempo em que algumas profissões eram exclusivamente de homem ou mulher. Exemplo disso é a da motorista Susana que está há vários anos ao volante de Caminhões e ônibus. Hoje é cada vez mais comum encontrar nas estradas brasileiras uma mulher dirigindo um caminhão cegonha.

Susana da Silva Gargan, mãe de quatro filhos, dirige caminhão há quase quinze anos. Começou como motorista de ônibus, trabalhou assim por onze anos, depois foi para o caminhão baú e recentemente, há cinco meses, está como motorista de cegonha na transportadora Tegma.

 Chegar a ser motorista de cegonha era um sonho que teve início na época em que era motorista de ônibus – “desde criança eu trocava as bonecas por carrinhos, hoje vejo minha filha caçula Rafaele agir de modo bem parecido” acrescentou Susana.

   Realizada profissionalmente, Susana costuma fazer viagens mais longas, roteiro Mercosul (Argentina, Chile, Paraguai e Uruguai). “Fora das estradas e da cabine do caminhão me sinto presa numa gaiola”, disse.

   É visível o crescimento da participação feminina na sociedade e da importância da mulher como cidadã. Filhos, carreira, afazeres do lar e marido, conciliar tantas responsabilidades e desafios pode não ser uma tarefa tão simples, mas o fato é que a tripla jornada feminina faz parte do cotidiano de cada vez mais mulheres no nosso País.