Homenagem

Meu pai, meu herói

Maquila (de camisa verde listada)

Saudades, boas lembranças e muito mais… é o que faz lembrar Alves Lagos conhecido como “Maguila” que trabalhou como cegonheiro durante vinte anos.

Em sua vida profissional, passou pela empresa Kibon, Carjac, Toyota, Vokswagem e, em seguida, para Translor, onde trabalhou por mais vinte anos.

Maguila foi pai de três fi lhos: Anderson, Wellington (conhecido como Maguilinha – faleceu em 2006) e Tatiana, avô de dois netos: Emilly e Alexsander, e esposo de dona Ivanda.

Maguila com a mãe e os três filhos

“Nossa maior felicidade era viajar no período das férias escolares, viajávamos os cinco no caminhão, o destino era o que menos importava, o importante era estarmos juntos”, disse Tatiana.

Na época em que Maguila viajava, os meios de comunicação eram precários, não existia celular, mas era um compromisso dele ligar duas vezes ao dia para família, primeiro para abençoar os fi lhos e, em seguida, falar das novidades e saber se estava tudo bem. Na volta de cada viagem já eram esperadas coisas para casa como carne de sol, vinho, queijo, frutas e muito mais.

Com o irmão Zelera, grande amigo, a filha Tatiana e a neta Emilly

No ano de 2005, Maguila resolveu parar de pegar as estradas e passou o caminhão para o filho Wellington, que seguiu os aprendizados do pai. Após seis meses de estradas, Wellington sofreu um acidente fatal e veio a falecer. Com profunda tristeza, Maguila tentou voltar a viajar, mas as lembranças do filho tiraram-lhe totalmente o estímulo para continuar.

Homenagem feita pela família

Em meados de 2007 decidiu parar de vez e passar o caminhão para seu filho mais velho Anderson, que viaja até hoje, e Maguila o acompanhava a distância.

Maguila com a neta Emilly “paixão declarada”

Em julho de 2018 Maguila veio a falecer em consequência de câncer, assim deixando a esposa Ivanda, os filhos Anderson e Tatiana e os netos Emilly e Alexsander. “Hoje resta a saudade de um pai que sempre quis ajudar o próximo, ver a família feliz e a vitória de todos que os cercavam”, acrescenta a filha Tatiana.