RADAR

Um 2018 de otimismo para as montadoras

Desde março do ano passado, ao menos oito montadoras comunicaram que vão investir quase 15 bilhões de reais no país até 2022.

Ainda que a indústria trabalhe com planejamento a longo prazo, já que o desenvolvimento de um novo modelo pode levar até três anos, os anúncios de investimentos representam uma reversão nos ânimos de um setor que sofreu um duro baque na crise.

A produção de veículos encolheu 42% nos últimos três anos, e as vendas seguiram pelo mesmo caminho. E há outro problema no radar: o setor automotivo terminará o ano sem ter as regras do jogo postas à mesa.

O esperado anúncio do Rota 2030, programa que regerá a indústria nos próximos anos, não foi feito na última semana do ano, como o esperado.

A divulgação do documento já foi protelada por dezenas de vezes nos últimos meses.

Mesmo que o Rota 2030 seja anunciado em breve, a indústria já sabe que o pacote de estímulos fiscais ficará longe das concessões do passado.

Na lista de possíveis benefícios estão previstos incentivos em forma de créditos fiscais para empresas que comprovarem a intenção de fazer pesquisa e desenvolvimento de produtos no país.

Para 2018, a previsão é de alta de 9,5% nas vendas de veículos — o primeiro avanço em quatro anos.

Além disso, uma tributação diferenciada para veículos, de acordo com a emissão, também entraria na lista.

Ainda que dependa das regras estipuladas pelo governo para preparar as estratégias, a indústria tenta caminhar com as próprias pernas para ganhar tempo.

“A melhora no cenário econômico reflete em uma inflação menor, juros menores, redução do desemprego e aumento da confiança do consumidor, o que nos leva a esperar um crescimento de dois dígitos para o próximo ano”, afirma Megale presidente da Anfavea.

Segundo previsões dos especialistas em indústria automotiva, o mercado deve se aproximar de 2,5 milhões de unidades vendidas em 2018 — número próximo ao observado em 2008.

As previsões, entretanto, continuam embasadas na expectativa de crescimento concentrada em dois dos três pilares de possíveis de alta: vendas diretas e exportações.

01-revista-cegonheiro-sinaceg-radar-thumbnail

Mais baixa Inflação desde criação do Real

O fim da cobrança adicional na conta de luz conseguiu compensar a alta no preço dos alimentos e transportes no primeiro mês do ano. E a inflação oficial do país desacelerou em janeiro.

O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) subiu 0,29% abaixo do 0,44% de dezembro, divulgou o IBGE. Em janeiro de 2017, a taxa foi de 0,38%.

O IPCA deste ano foi o mais baixo para o mês de janeiro desde a criação do Plano Real, em 1994.

No acumulado em 12 meses, o índice foi para 2,86%, após 2017 ser marcado pela inflação abaixo do piso da meta, em 2,95%, algo que não ocorria desde a criação do sistema de metas, em 1999.

02-revista-cegonheiro-sinaceg-radar-thumbnail

Montadora de bicicletas elétricas instala fábrica em São Bernardo

A Empresa Brasileira de Mobilidade Sustentável – EBMS – cinco modelos de bicicletas elétricas da marca Pedalla fabricadas na planta recém-instalada em São Bernardo do Campo (SP). A implantação desse projeto tem apoio da Investe São Paulo, agência de promoção de investimentos do Governo do Estado, que tem assessorado a EBMS principalmente em questões de infraestrutura e tributação.

Com o início das vendas no varejo, a empresa pretende aumentar gradativamente a produção das bikes, chegando a 30 mil por ano. A fabricação será feita por uma equipe de cerca de 100 funcionários.

Para capacitar os profissionais de revenda e manutenção das bicicletas, a EBMS investiu também R$ 250 mil no projeto Van Oficina. A ação leva sessões itinerantes de treinamento e certificação para mecânicos, assistências técnicas e lojas, garantindo uma formação específica em e-bikes.

“A EBMS é uma empresa criada com a ideia de melhorar a mobilidade urbana e oferecer um produto que ajude as pessoas a terem um estilo de vida não só mais saudável, mas também favorável ao meio ambiente.

É fundamental que projetos como esse utilizem nossos serviços e estejam cada vez mais perto do poder público”, explica o diretor da Investe SP, Sérgio Costa.

Segurança

As bicicletas elétricas Pedalla chegam a 25 km/h, a velocidade máxima permitida pelo Código de Trânsito Brasileiro, sendo extremamente seguras. As e-bikes já vêm equipadas com refletores, farol dianteiro, lanterna traseira, buzina, velocímetro e retrovisor.

As baterias, que pesam de 2 a 3 kg, são de Íons de Lítio com células da Samsung. A autonomia é de 30 a 60 Km, dependendo do modelo, do tipo e condições de uso. Os modelos básicos e intermediários têm motor com 250 W e os demais são de 350 W.

03-revista-cegonheiro-sinaceg-radar-thumbnail

Documento digital com RG, CPF e título deve sair até julho

O presidente da república assinou decreto para a criação de um sistema de identificação pessoal que visa reunir diferentes documentos em só – e de maneira digital.

A proposta do DNI (Documento Nacional de Identificação) é dispensar a utilização individual de RG, título de eleitor, CPF (Cadastro de Pessoa Física) e das certidões de nascimento e casamento.

O governo diz que todos os cidadãos brasileiros deverão ter acesso ao documento a partir de julho deste ano, após uma série de testes.

Ele também estuda a possibilidade de incluir a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) nesse sistema.

O documento digital terá validade no território nacional inteiro e poderá ser obtido por meio de aplicativo gratuito em celulares e tablets.

Automotiva indiana investe R$ 96 milhões no Brasil

A empresa indiana de componentes automotivos Precision Camshafts Limited (PCL) anunciou a escolha de Santa Gertrudes, a cerca de 180 km da capital paulista, para sua primeira fábrica nas Américas. A planta recebe investimento de US$ 30 milhões (cerca de R$ 96 milhões) e irá contar com 250 funcionários até seu terceiro ano de operação – 70 deles serão contratados até o final de 2018.

O projeto recebe apoio da Investe São Paulo, a agência de promoção de investimentos ligada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência,

Tecnologia e Inovação, que tem assessorado a empresa em questões tributárias, de licenciamento e infraestrutura.

O principal produto vendido pela PCL em todo o mundo são eixos de comando de válvula. Atualmente, eles são produzidos em fábricas na China e na Índia. A decisão de vir para o Brasil e o ocidente faz parte de um plano de expansão da empresa. E, no caso do Brasil, uma das grandes montadoras de automóveis que opera no Estado de São Paulo solicitou a nacionalização da fábrica para que possa lançar uma nova linha de motores.

04-revista-cegonheiro-sinaceg-radar-thumbnail

Toyota eliminará carro a diesel na Europa

A Toyota anunciou que vai parar de vender carro a diesel na Europa e iniciar a eliminação gradual neste ano. Em 2017, quase 15% das vendas da Toyota na Europa foram de veículos a diesel, em comparação com 30% em 2012. Enquanto isso, as vendas dos modelos híbridos da empresa aumentaram acentuadamente.

Incentivados por regras cada vez mais rígidas de emissão de fumaça, as montadoras estão investindo nos motores elétricos. França e Reino Unido, por exemplo, já anunciaram que carros com motor convencional não serão permitidos a partir de 2040.