RADAR

Ford Taubaté completa 50 anos

A fábrica de Taubaté, interior de São Paulo, completou 50 anos e comemorou com o início da produção de um motor e um câmbio, antes importado da Índia. O motor 1.5 Ti-VCT e o câmbio de transmissão MX65, antes importado apenas para o EcoSport, passam a integrar também o Ford Ka FreeStyle.

O investimento não foi revelado e não haverá novas contratações. Mas a fábrica, que emprega 1.300 funcionários diretos e outros 1.000 indiretos, volta a produzir em três turnos, como antes de 2015.

FMI eleva previsão de crescimento do Brasil

O FMI (Fundo Monetário Internacional) melhorou a previsão de crescimento do Brasil para 2018, confirmando a tendência de alta que vinha anunciando em suas revisões anteriores. Segundo as novas estimativas, o PIB brasileiro deve avançar 2,3% no ano. A previsão em janeiro era que cresceria 1,9%. Em outubro, essa estimativa era de 1,5%.

O número, porém,  ainda está bem aquém da estimativa mais recente dos analistas do mercado brasileiro, que é de 2,76%. A projeção está em queda há semanas.

O FMI também elevou as expectativas para o Brasil em 2019. Calcula que o país deverá crescer 2,5% no próximo ano, uma alta de 0,4 ponto percentual na comparação com a estimativa feita em janeiro. O mercado espera 3%.

Apesar dos reajustes positivos, o Brasil ainda está mal posicionado em relação aos países emergentes, que devem crescer 4,9% em 2018, ou seja, com 2,3% de alta neste ano, a economia brasileira não alcança nem metade da taxa de crescimento esperada de seus pares emergentes.

02-revista-cegonheiro-sinaceg-fmi-radar-edicao-193

Caixa reduz juros do crédito imobiliário

A Caixa Econômica Federal anunciou, nessa primeira quinzena de abril, a redução de até 1,25 pontos percentuais das taxas de juros de crédito imobiliário utilizando recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e empréstimos (SBPE).

As taxas mínimas passaram, nesse caso, de 10,25% a.a para 9% a.a no caso de imóveis dentro do Sistema Financeiro de Habitação (SFH), e de 11,25% a.a para 10% a.a para imóveis enquadrados no Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI).

De acordo com o presidente da CAIXA, Nelson Antônio de Souza, a redução das taxas de juros facilita o acesso à casa própria e contribui para estimular o mercado imobiliário. “O objetivo da redução é oferecer as melhores condições para os nossos clientes, além de contribuir para o aquecimento do mercado imobiliário e suas cadeias produtivas”, destaca.

Novas condições:

Além da redução de juros, a CAIXA também promoveu melhoria das condições no financiamento de imóveis para pessoa física.

O limite de cota de financiamento do imóvel usado sobe de 50% para 70%. A CAIXA também retomou o financiamento de operações de interveniente quitante (imóveis com produção financiada por outros bancos) com cota de até 70%.

A CAIXA possui R$ 82,1 bilhões para o crédito habitacional para 2018. O banco mantém a liderança no setor com cerca de 70% das operações para aquisição da casa própria.

SFH e SFI.

Estão enquadrados no SFH os imóveis residenciais de até R$ 800 mil para todo país, exceto para Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal, onde o limite é de R$ 950 mil. Os imóveis residenciais acima dos limites do SFH são enquadrados no SFI. Todas as mudanças começaram a valer desde o dia 16 de abril.